Feeds:
Artigos
Comentários

Sonhos Lúcidos

Esta noite estava a sonhar e dei por mim lúcida. Consciente que aquilo não era a realidade, mas sim um sonho. Sabia que não estava ali, mas sim na minha cama, a dormir.

Mas quando acordei fiquei sem saber se soubera realmente que estava a sonhar ou se sonhei que sabia que sonhava.

 

 

-Não o queres levar?
-Não. Não me sinto confortável a usar uma peça de roupa que dava para alimentar uma pequena aldeia africana durante meses….
-Oh, não sejas parva. Os pretos não comem roupa!

Uma recente conversa com a minha mãe acerca da flora intestinal deixou-me com dúvidas sobre o Universo.

Tomar consciência que tenho uma comunidade complexa formada por centenas de espécies diferentes de microorganismos a viver nos meus intestinos faz-me sentir portadora de um mundo paralelo.

Dentro da minha barriga, eles nascem, crescem, competem entre si e morrem, sempre dependentes uns dos outros para o bom funcionamento da comunidade.

Acho interessante pensar que aquelas bactérias que andam por aí felizes a passear dentro nas minhas entranhas não fazem a MÍNIMA ideia de onde estão!

 

Ok, eu sei que são bactérias, e que não pensam… mas vamos esquecer isso por momentos…

Andam ali os lactobacilos de um lado para o outro a gritar “EL”, “CASEI” e “IMUNITASSE” e mal sabem eles que estão dentro dos intestinos de alguém. 

E eu pergunto-me se nós também não possamos estar na mesma situação. E se o universo for só isso? Se nós não formos mais do que particulazinhas dentro dos intestinos de alguém muito muito grande?

O meu intestino delgado, para as bactérias que vivem lá deve ser um espaço enorme, talvez infinito, pensarão elas. Ou pensariam se pudessem pensar.

Então o que me impede de supor que se calhar, o nosso universo, que nos parece tão grande, não é, pois, uma ínfima parte de algo tão maior.

 

Eu sei que é complicado pensar que pode haver algo ainda maior que isto. Mas não sabemos se O Universo é assim tão grande… certo?

Não há outro com que comparar. Temos a percepção que ele é imenso porque temos em conta a nossa própria medida. Claro que comparado comigo o universo é tão grande que me parece impossível que haja algo maior.

Mas comparado com as bactérias, o intestino delgado também é gigantesco e, apesar disso, cabe dentro do meu corpo na perfeição.

Tempos Modernos

Não percebo aqueles anúncios a iogurtes e águas que dizem que reduzem o apetite.

Não é esse o objectivo de todo o tipo de comida?

Apelo Solidário

Estou seriamente preocupada.

Há uns dias para cá que venho a reparar que o José Castelo Branco é presença habitual nos programas da tarde da SIC. Eu acho isto muito sério.
Pensem comigo: O Castelo Branco é rico, podre de rico, a-decompor-de-tal-maneira-que-já-cheira-mal de rico. Casou com uma senhora com bastante dinheiro para gastar em excentricidades mas que infelizmente tem cara feita cera. (Tenho a certeza absoluta que se chegarem lume à cara da Lady Betty aquilo derrete tudo…)
Ora, toda a gente sabe que os programas da tarde e da manhã são pura tortura. Foram feitos para donas de casa e reformados e estão de tal forma cheios de boa disposição e alegria que se tornam insuportáveis à restante população. Por isso ninguém está lá que não seja para ganhar a vida honestamente. Os apresentadores, os músicos, a equipa técnica… pelo-amor-de-deus, até o publico é pago para aplaudir!!!
Ninguém foi para lá porque gosta! Estão lá porque é preciso! Porque têm contas para pagar ao fim do mês!…
Mas o C.B. não precisa do dinheiro. Nem da fama. Ele é o tema preferido de todas as revistas cor-de-rosa e aparece nas capas sempre que há qualquer novidade! (também não é preciso muito para dar nas vistas, basta sair à rua.) 

Concluindo, ele está lá porque gosta!
E isto é assustador! E triste ao mesmo tempo! Seja famoso ou não, há um ser humano a desgraçar a sua vida mesmo à frente dos nossos olhos e ninguém faz nada! Peço encarecidamente às pessoas que divulguem este caso. Vamos todos juntos ajudar este pobre homem* que está a participar em programas da tarde PORQUE GOSTA! 

 Aja piedade. 

*ok, admito que “pobre” e “homem” não são as melhores palavras para me referir ao Castelo Branco…

As Pistas do Bidu

As Pistas da Blue é o melhor programa de televisão que existe. Nem que seja só pelo conceito essencial: Um gajo sozinho à frente de um ecrã vazio, a cantar sem música e com uns passos de dança ridículos à mistura. Basicamente é o Ídolos mas para as crianças.
Eu sei que não tem aquele rapaz de cabelo loiro comprido que não percebia porque é que os júris não o deixavam passar. Mas é muito bom à mesma!   

Diz por aí que o programa já foi muito premiado e é bastante educativo. Tretas. Aqueles que pensam que a Blue é um grande avanço criativo enganam-se. Trata-se claramente um plágio, uma má imitação americana, do primeiro e mais importante personagem do brasileiro Maurício de Sousa, o Bidu (até o nome é parecido, caraças).
Comparem vocês mesmos: 

  

blue.jpg

São ambos simpáticos cães azuis, aberrações da natureza, com um dono que anda sempre com a mesma roupa.
Bidu obviamente vence a Blue em prestigio porque tem a suas próprias histórias de banda desenhada onde trava interessantes diálogos com uma pedra (chamada Dona Pedra). E a Blue só tem um gajo vestido às riscas que canta quando há correio. Para além disso o dono do Bidu é um cientista, que inventa teletransportadores e todo o tipo de engenhocas e elixires que só são possíveis nas bandas desenhadas.
O que é que o Duarte fez além de se refastelar num sofá vermelho a pensar? Foi para os Morangos engatar uma gaja que é beata.
Grande coisa.